RSS

Câmara aprova regulamentação da profissão de vaqueiro

15 jul

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou nesta quarta-feira (13/7), em caráter conclusivo, proposta que regulamenta a profissão de vaqueiro. Pelo texto, considera-se vaqueiro o profissional que trata, faz o manejo e a condução de bovinos, bubalinos, equinos, muares, caprinos e ovinos. A proposta seguirá para o Senado, a menos que seja apresentado recurso para sua análise pelo Plenário da Câmara.

O relator, deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE), recomendou a aprovação do Projeto de Lei 2123/07, dos ex-deputados Edigar Mão Branca e Edson Duarte, na forma do substitutivo acatado anteriormente pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. O substitutivo reúne o conteúdo do PL 2123/07 e o do PL 2437/07, da deputada Ana Arraes (PSB-PE), que trata do mesmo assunto e tramita em conjunto.

O texto aprovado prevê, entre as atribuições do vaqueiro, a alimentação dos animais sob seus cuidados, a realização de ordenha e a preparação de animais para eventos culturais e esportivos.

Ainda segundo a proposta, a contratação dos serviços de vaqueiro é de responsabilidade do administrador do estabelecimento agropecuário. O substitutivo retirou do texto original a obrigatoriedade de contratação sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Por outro lado, o contrato de prestação de serviços preverá obrigatoriamente seguro de vida e de acidentes em favor do vaqueiro.

por Agência Câmara

===================================================================================

 

O Vaqueiro do Sertão Nordestino

O Vaqueiro do Sertão Nordestino, região de clima semi-árido e que tem como vegetação a caatinga, enfrenta sérios desafios na vida com o gado, sendo para isso o uso de indumentária própria feita de couro, composta por Perneira (calça), Gibão (Jaqueta), Chapéu (de couro), Peitoral (Avental), Luvas e Botas.

O Vaqueiro pode cuidar do seu próprio rebanho, porém o mais comum, é que o mesmo seja empregado de uma fazenda onde vive como “morador”. O mesmo tem como pagamento do seu trabalho um salário específico ou “tirar a sorte” na produção, onde, de forma previamente acertada com o fazendeiro, um percentual dos filhotes que nascerem, serão propriedade do vaqueiro; por exemplo: a cada quatro filhotes um é propriedade do vaqueiro, podendo este, criar, vender trocar ou fazer qualquer outro negócio com a sua produção. A cada ano o gado é separado, contado e tirado o que cabe para uma das partes. Este evento é conhecido popularmente como “Festa de apartação”.

Uma das características do Vaqueiro é que, além de ser um homem muito trabalhador, também tem que ser um homem destemido na luta com os animais. Muitas vezes, para arrebanhar o gado, é necessário amarrar a rês desgarrada ou prender algum dos animais que estejam postos à venda, sendo necessário, para isto, a “pega do boi na caatinga” utilizando apenas o cavalo e usando a indumentária acima citada. Estando montado a cavalo, ao encontrar a rês desgarrada, corre atrás desta por entre a vegetação da caatinga e puxando o boi pelo rabo (cauda) o derruba ao solo e rapidamente o amarra. Após “arreiar o boi” (por arreios) com uma careta (peça feita de couro colocada na frente a cabeça da rês para só permitir que a mesma enxergue com a visão lateral), uma peia (amarrar uma corda unindo uma pata dianteira à pata traseira do mesmo lado impedindo passadas largas) e colocando um cambão (tora comprida de madeira medindo aproximadamente 1,5m de comprimento e 15 cm de diâmetro que, ao ser amarrada no pescoço se posiciona entre as patas dianteiras) impedindo que o boi possa correr e o leva para o curral da fazenda. Esta prática expõe os vaqueiros a muitos acidentes na lida com o gado. Da “Pega de boi na caatinga” é que se originou o Esporte Vaqueijada ou
Vaquejada, onde hoje, não só os vaqueiros propriamente ditos, como também vaqueiros esportistas o praticam em arenas apropriadas.

Fonte: Enciclopédia Wikipédia
 
1 comentário

Publicado por em julho 15, 2011 em Uncategorized

 

Uma resposta para “Câmara aprova regulamentação da profissão de vaqueiro

  1. vanderlan junior

    maio 22, 2013 at 1:07 am

    eu apoio para que os vaqueiros tenham seguros de vida por sua profissão perigosa, e o ministério do trabalho reconhecer como profissão o trabalho que os vaqueiros tem nas fazendas

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: