RSS

80 ANOS DA FRENTE NEGRA BRASILEIRA!

14 set
80 ANOS DA FRENTE NEGRA BRASILEIRA!

Reunião interna da Frente Negra Brasileira, São Paulo, ca. 1932.

A Frente Negra Brasileira foi a maior entidade da comunidade afro-brasileira da primeira metade do século passado, tendo se transformado no primeiro partido político negro de que se tem notícia no Brasil, ramificando-se na Bahia e no Recife, por exemplo. Embora sua atuação ainda seja objeto de análise e crítica, alguns temas que pautou permanecem atuais, assim como as discussões sobre sua forma de atuação ou as polêmicas que estabeleceu, especialmente com o grupo do jornal Clarim da Alvorada. Fundada em 16 de setembro de 1931, os 80 anos de sua criação serão lembrado pelo evento abaixo:80 ANOS DA FRENTE NEGRA BRASILEIRA
DIA 15 DE SETEMBRO – QUINTA-FEIRA
NA CASA DE PORTUGAL
AV. LIBERDADE, 602
ÀS 19H – entrada gratuita
Com apresentação da campanha “Por uma Infância sem Racismo”, da UNICEF, Painel sobre a Frente Negra e apresentação da Orquestra Filarmônica Afro-Brasileira.
Promoção: Coordenadoria Estadual de Políticas para a População Negra e Indígena

Via: MC Kall/Berlin.
================================================
A Frente Negra Brasileira
setembro 21, 2009 por portaldaculturanegra
No bojo dessa movimentação ideológica da comunidade negra paulista, através dos seus jornais, surge a idéia da formação da Frente Negra Brasileira. Ela irá constituir-se em um movimento de caráter nacional, com repercussão internacional. Surgiu da obstinação de negros abnegados, como Francisco Lucrécio, Raul Joviano do Amaral, José Correia Leite (que, depois, dela se afastará por motivos ideológicos) e mais alguns. Fundada em 16 de setembro de 1931, sua sede social central localizava-se na rua Liberdade, na capital paulista. Sua estrutura organizacional já era bastante complexa, muito mais do que a quase inexistente dos jornais. Era dirigida por um Grande Conselho, constituído de 20 membros, selecionando-se, dentre eles, o Chefe e o Secretário. Havia, ainda, um Conselho Auxiliar, formado pelos Cabos Distritais da Capital. Criou-se, ainda, uma milícia frente-negrina, organização paramilitar. Os seus componentes usavam camisas brancas e recebiam rígido tratamento, como se fossem soldados. Segundo um dos seus fundadores – Francisco Lucrécio -, a Frente Negra foi fundada por ele e outros companheiros embaixo de um poste de iluminação. Ainda segundo a mesma testemunha, no início houve muita incompreensão. Diziam que eles estavam fazendo racismo ao contrário. No entanto, com o tempo, os membros da Frente Negra foram adquirindo a confiança não apenas da comunidade, mas de toda a sociedade paulista. As próprias autoridades a respeitavam. Os seus membros possuíam uma carteira de identidade expedida pela entidade, com retratos de frente e perfil. Quando as autoridades policiais encontravam um negro com esse documento, respeitavam-no porque sabiam que na Frente Negra só entravam pessoas de bem. Ainda segundo depoimento de Francisco Lucrécio, conseguiam acabar com a discriminação racial que existia na então Força Pública de São Paulo. Até aquela data os negros não podiam entrar na corporação. A Frente Negra inscreveu mais de 400 negros, tendo muitos deles feito carreira militar. Por outro lado, havia divergências na comunidade negra em relação à ideologia da Frente, pois muitos não aceitavam a ideologia patrianovista (monarquista) que o seu primeiro presidente, Arlindo Veiga dos Santos, queria impor aos seus membros. Isso iria refletir na trajetória da entidade. Uma visão direitista levou muitos dos seus adeptos a posições simpáticas em relação ao integralismo e ao nazismo. Paradoxalmente, o conceito de raça é manipulado pelos frente-negrinos, que, no seu jornal A Voz da Raça, colocam como seu slogan “Deus, Pátria, Raça e Família”, que depois foi modificado. Era o slogan decalcado diretamente do “Deus, Pátria e Família”, da Ação Integralista. Apesar dessas contradições ideológicas, a Frente Negra se desenvolveu rapidamente, criando núcleos em vários Estados do Brasil. Milhares de negros, nas principais áreas do país, aderem ao seu ideário e passam a ser seus membros. Em face dos êxitos alcançados, a Frente Negra resolveu transformar-se em partido político. Tinha todas as condições exigidas pela Justiça Eleitoral da época, e entrou com pedido nesse sentido em 1936. Sobre o assunto houve discussão entre os membros do Tribunal, que chegaram a alegar uma tendência racista na Frente. Finalmente o seu registro foi concedido. Durou pouco, porém. Logo em seguida, 1937, o golpe de Estado deflagrado por Getúlio Vargas implantando o Estado Novo dissolverá todos os partidos, entre eles a Frente Negra Brasileira. Houve um trauma muito grande na comunidade que a acompanhava ou militava nos seus quadros. Milhares de negros sentiram-se desarvorados politicamente. Um dos seus fundadores, Raul Joviano do Amaral, tenta conservar a entidade, mudando-lhe o nome para União Negra Brasileira. Mas a situação geral do país não era favorável à vida associativa no Brasil, onde a repressão via atos subversivos em qualquer organização. O jornal A Voz da Raça deixa de circular. A censura é imposta a todos os órgãos de imprensa, e a União, que procurou substituir a Frente, morre melancolicamente, em 1938, exatamente quando se comemoravam 50 anos da Abolição.
História do Negro Brasileiro / Clóvis Moura – São Paulo: Editora Ática S.A., 1992
A Legião Negra na Revolução Constitucionalista de 1932, com participantes da Frente Negra Brasileira

1 E m pouco tempo é formada uma comissão beneficente para arrecadar apoio material e humano entre a comunidade negra paulista. Surge a Legião Negra, que teve papel relevante na Revolução de 1932. O peso político do negro era grande, tanto que o próprio interventor de São Paulo, Pedro de Toledo, foi pessoalmente até a sede da Frente Brasileira Negra (a maior e mais respeitada entidade negra da época), pedir o apoio dos negros para a guerra. Porém, vários integrantes eram vanguardistas e operários (classe amplamente defendida por Vargas). Por isso, muitos negros não aderiram ao movimento constitucionalista.

Soldados da Legiao Negra

2 Sem o apoio integral da Frente Brasileira Negra, a presença de negros na revolução foi marcante e a Legião Negra (conhecida como os Pérolas Negras), escreveriam para sempre sua passagem em nossa história. É válido destacar que seu fundador e defensor, Joaquim Guaraná de Santana, era inicialmente da Frente Negra Brasileira e rompeu com esta quando não conseguiu apoio absoluto dos companheiros para a Legião Negra. Guaraná fundou então um partido, o PRN (só de negros) e um jornal, o Brasil Novo, em que se autoproclamava como a maior liderança negra do Brasil, mas antes mesmo do fim da guerra ele foi afastado da Legião Negra e substituído pelo advogado negro José Bento.  A s principais frentes de combate da Legião Negra na guerra eram: Frente Leste (na divisa com o Rio de Janeiro); Frente Norte (divisa com Minas Gerais); Frente Oeste (divisa com Mato Grosso) e a Frente Sul (divisa com Paraná). Mas a participação dos negros na Revolução Constitucionalista não se fez apenas na Legião Negra, que contava com cerca de 2 mil homens. Havia outros negros – mais de 10 mil – espalhados por toda a força paulista. Vale lembrar que um dos principais comandantes da revolução era negro. Seu nome? Palimercio de Rezende. –

Leia mais em: http://racabrasil.uol.com.br/cultura-gente/134/a-legiao-negra-esta-historia-nao-e-contada-nos-livros-145040-1.asp

Video sobre a “Frente Negra Brasileira”

1) Cultne Acervo Da produtora Enugbarijô, com edições de Ras Adauto e Zozimo Bulbul; reportagens de Amauri Pereirae Yedo Ferreira assista no Cultne o vídeo sobre a Imprensa Negra Brasileira (vídeo em 4 partes) http://www.cultne.com.br/video.php?id_video=114

Acervo Cultural Digital de Cultura Negra :: Cultne

www.cultne.com.br

Video editado por Ras Adauto e Zózimo Bulbul, tendo como condutores os militantes Amauri Pereira e Yedo Ferreira que entrevistaram em 1985 na sede campestre do Clube Aristocrata em São Paulo , os militantes do movimento negro dos anos 30 e dos anos 70. Lá estavam os fundadores Aristides Barbosa …e etc.
=========================================
2) Um filme de propaganda histórico de época sobre a Revolucao Constitucionalista de 1932 onde combateu a “Legiao Negra”, com membros da “Frente Negra Brasileira”.
 
1 comentário

Publicado por em setembro 14, 2011 em Uncategorized

 

Uma resposta para “80 ANOS DA FRENTE NEGRA BRASILEIRA!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: