RSS

Escravas modernas nos Estados Unidos – a maioria sao de mulheres imigrantes!

24 out

A Escrava Moderna

Enquanto promovem guerras  e ocupacoes neo-coloniais pelo mundo,  com a desculpa já esfarrada de combate ao terrorismo, os Estados Unidos da América nao conseguem olhar o próprio umbigo. Mais de dois milhões de mulheres, em sua maioria imigrantes, trabalham nos Estados Unidos em condições de escravidão, a mercê dos patrões e sem proteção legal alguma. A informação circula nas páginas de sites e blogs, revelando a exploração trabalhista sob a qual padece uma boa parte daquelas que deixam seus povos e famílias em outros países, em busca da terra da oportunidade.

Na peca “O REI DA VELA”, de Oswald de Andrade, montada por José Celso Martinez Correia e Teatro Oficina nos anos de chumbo dos 60 do século passado em Sao Paulo, um dos personagens vem à boca da cena e vira-se para o público e proclama:  “-  A América é um blefe!”. Mas quando chega o “Americano” na cena, tod@s arreiam as calcas e beijam os pés do gordo capitalista.

No filme realizado pelo grupo Oficina sobre a peca, o americano vai à um safari na amazonia e participa da “caca ao índio”. E o escroto, mascando um eterno chiclete e cuspindo pros lados fica falando: “Ó, que coisa mais porcaria!!!!”, enquanto abate o índio a pauladas e o filma com uma camera super-8.  E um negro escravo tem que carregar o americano e um general da ditadura nas costas o tempo todo numa favela do Rio de Janeiro.

Durante a montagem da peca em Sao Paulo, uma dezena de “escravos” moviam o palco móvel  enfurnados num buraco embaixo do tablado,  manipulando os mecanismos que faziam a ilusao das  mudancas cenográficas: o escritório de Abelardo I, Paquetá, a Praia, etc. A crítica à escravidao e à submissao na peca se ligavam às condicoes precárias de trabalho de uma parte do elenco, os extras-mulas, a maioria negra,  que moviam o palco. Uma paródia para lá de realista: os “escravos” sustentavam em suas costas a grande revolucao do teatro antropofágico da pauliciéia desvairada.

Surubim Feliciano, o ìndio Tupy do Oficina 5°Tempo

“O Americano”, da peca O” Rei da Vela”, do Teatro Oficina

Voltando às Escravas Modernas: milhares e milhares de mulheres  estao circulando pelos Estados Unidos e Europa prisioneiras de todo tipo de organizacoes, famílias e mafías. Grande parte dessas mulheres estao à merce de gangs perigosas de exploracao sexual. Aqui na Alemanha o mes passado, o consulado brasileiro em Berlin interferiu com uma acao para salvar e mandar de volta ao Brasil uma brasileira que fugiu de um cativeiro sexual na regiao de Frankfurt onde se encontrava escravizada. A menina de cerca de 22 anos estava bem maltratada e completamente perdida e nao sabia nem em que cidade estava.

Todos esses exemplos acima, as críticas na peca O Rei da Vela, as Escravas modernas nos Estados Unidos, na Europa e em outras regioes do planeta e outros tantos exemplos de exploracao, escravizacao, neocolonizacao e submissao de pessoas   sao reflexos  contínuos da cruel e massiva dominacao capitalista e imperialista no mundo.  Hora em crise em várias partes de seus domínios, tanto na Uniao Européia, quanto em Wall Street.  A isso somam-se as guerras de ocupacao, guerras civis sangrentas, governos crueis ditatoriais na Ásia, no Oriente, os latifúndios na América Latina, os saques espalhados por toda a Terra e  a falencia absurda da Àfrica.  A escravizacao de pessoas faz  parte importante das moedas de troca e combustao que alimentam tudo isso nos 5 continentes. E muitos/as desses seres humanos nesse momento sao de mulheres brasileiras.

Segundo a matéria publicada hoje no “Correio do Brasil”:

“A Organização Internacional do Trabalho (OIT) confirmou que, no mundo, mais de 12 milhões de seres humanos vivem como escravos. Outros órgãos especializados calculam que o número se eleva até os 27 milhões. Essa quantidade “dobra o número de todos os que foram roubados da África durante os 300 anos que durou o tráfico de escravos”, assegurou o acadêmico Kevin Bales, presidente da Free the Slaves, uma organização não governamental internacional que combate as práticas de escravidão no mundo.”

Escrava Anastácia, uma alegoria dos tempos da escravidao no Basil, tornada uma santa popular negra

Sobre a Escravizacao Moderna nos Estados Unidos leia em: Correio do Brasil



		
 
3 Comentários

Publicado por em outubro 24, 2011 em Uncategorized

 

3 Respostas para “Escravas modernas nos Estados Unidos – a maioria sao de mulheres imigrantes!

  1. Enilda Miceli da Silva

    outubro 24, 2011 at 11:32 pm

    E parece nao ter fim!

     
  2. um Brasileiro

    agosto 9, 2012 at 2:14 am

    Façamos uma pergunta: Elas não estão nos EUA por espontânea vontade? Será que são de fato escravas? Essas “escravas” devem ganhar melhor como escravas nos EUA do que cidadãs no Brasil.

     
  3. Sergio

    setembro 8, 2012 at 1:18 am

    SAIRAM DO BRASIL NA VERDADE PQ OS HOMENS BRASILEIROS NAO GOSTAM DE MULHERES COM MAIS DE 30 ANOS
    E NOS EUA OS AMERICANOS E OUTRAS RACAS ESTAO MATANDO CACHORRO A GRITO!

    FAZ UMA PERGUNTA PARA 50 HOMENS E 50 MULHERES

    PERGUNTE (QUEM QUER VOLTAR PARA O BRASIL

    (R) HOMENS-DE 50 45 QUER VOLTAR PQ NAO TEM MULHERES DISPONIVEIS

    (R) MULHERES (EU NAO VOLTO PQ OS HOMENS NO BRASIL NAO QUEREM NADA SERIO)

    E A PURA VERDADE, VC QUE ESTA FORA SABE QUE E ASSIM OS PENSAMENTOS DE AMBOS

    ((((EU VIVI 11 ANOS NOS EUA VIU PESSOAL))))

    UM ABRACO A TODOS!

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: