RSS

Uma Comissao da Verdade para os Crimes do Estado e da Sociedade Brasileira contra a Juventude Negra.

10 set

latuff

imagem: latuff

Existe sim um Holocasto no Brasil que nao pára. As mortandades de jovens negros em várias regioes do país sao o retrato fiel e escarrado dessa epidemia sinistra que arrasta para a vala comum parte do nosso futuro e das nossas esperancas. E o mais sinistro ainda, parte da sociedade brasileiro, inclusive ditos esquerdas, silenciam, se omitem ou simplesmente ignoram a sinfonia fúnebre que rege esse Holocasto Preto.

Hoje se fala e se tem uma “Comissao da Verdade” para levantar os crimes militares e policiais durante a Ditadura Militar no Brasil. É importante e necessário esse instrumento de passsar a limpo os anos de chumbo que durante 3 décadas pontuou o Brasil de medo, violencia, assassinatos e desaparecimentos dos ditos “subversivos, os opositores e resistencias a sanha militar e fascista que varreu o país na época.

Eu era um adolescente nos subúrbios do Rio e cotidianamente meu pai voltava do trabalho e trazia os jornais populares que lia. E lá na capa, todo o santo dia, fotos e mais fotos de corpos de jovens negros assassinados, mutilados e mesmo cortados me pedacos. Ás vezes 3, 4, 5 corpos de jovens amontoados um cima do outro. E sempre com uma cartaz que dizia (muitas das vezes com ironia cruel): “Mao Branca esteve aqui”. Esse Mao Branca estava espalhado nas periferias e comunidades faveladas do Rio, nos subúrbios e nos bairros pobres da Baixada Fluminense. Esses “maos brancas” eram políciais (civis, militares e a polícia política) , militares (exército, marinha e aeronáutica), milícias paramilitares, que formavam o que ficou conhecido como o “Esquadrao da Morte”. Muitos financiados por comerciantes e políticos locais dos bairros e localidades.

mao branca

mao branca

Existia um programa policial na Rádio Tupi, todo dia na hora do almoco, muito famoso, com uma audiencia absurda como a Globo hoje em dia, “A Patrulha da Cidade”. E que cifrava e decodificava os códicos para os Esquadroes da Morte. E as notícias, sempre teatralizadas, zombeteiras e grotescas, alimentavam a mortandade desses jovens negros, mesticos e pobres e ainda criminalizavam com seu racismo exarcebado as suas famílias, como hoje se criminaliza as famílias nas comunidades faveladas do Rio de Janeiro.

Na rua onde que eu morava, sempre escutávamos falar de um tal “carro preto” que rondava as noites de Padre Miguel e Realengo e podia arrastar um de nós para alguma vala no Mendanha, Gericinó ou algum buraco ou lixeira ao longo da Avenida Brasil. E sempre que eu saia à noite para ir aos nossos bailes jovem-guarda nas noites de sábado, minha mae me falava para tomar cuidado com o “Carro Preto”.

le coq

a famosa “scuderie detetive lecocq”, o esquadrao da morte oficial durante a ditadura militar.

Lembro-me também, um pouco mais tarde, já nas fileiras do Movimento Negro que se reunia na sede do IPCN (Instituto das Pesquisas das Cultzuras Negras), quando ali se fundou o SOS Racismo, puxado por Marcos Romao e outr@s camaradas, comecou-se a levantar essa questao diretamente nos encontros políticos de resistencia civil que estavam emergindo contra a Ditadura Militar. E esbarrávamos sempre na postura intolerante e incompreensível de grande parcela da esquerda no Rio nesses nesses encontros. Quantas vezes nao aconteceram debates acalorados com essa esquerda, sempre com aquele velho papo que estávamos dividindo a tal Luta de Classe, a Luta Operária e nao sei mais o que. E quando saíamos na rua e passávamos pelas bancas dos jornais lá estávam expostos os mesmos e eternos corpos de jovens pretos, mesticos ou pobres: sempre com aquela justificativa de criminais perigosos que estavam perturbando a ordem da capital. O lixo da sociedade.

Hoje, pelo que estou notando com as campanhas que estao rolando pelo país contra o genocídio da juventude negra, noto que estamos ainda nesse patamar de indiferencas, omissoes e ausencia da parte de uma classe média branca politizada e mesmo de grandes contingentes das esquerdas partidárias. Com diz o Joao Jorge do Olodum: Há mais de trinta anos batemos na mesma tecla.

A “Comissao da Verdade” do governo Dilma está aí! Mas ela só será completa se levantar também os crimes contra a juventude negra e suas famílias pelos aparelhos repressores policiais militares da Ditadura e que se extende até o presente momento de agitacao e manifestacoes no país, com a sua sinistra máquina azeitada e racista.

Steve Biko, o grande ativista anti-apartheid, assassinado pelo aparelho policial militar da África do Sul, tinha uma frase que gostava de dizer: “Estamos por nossa própria conta”.

Nós nao queremos mais ficar por nossa própria conta nesse Holocausto da Juventude Negra, Mestica e Pobre do Brasil. Com esse pesado Requiem numa Nacao que nao assume diretamente as suas identidades e seus crimes contra a sua própria juventude e futuro.

Amarildo faz parte desse Holocausto em pleno Rio de Janeiro juntamente com os quase 20 jovens negros assassinados na Bahia cotidianamente, na Paraíba, em Sao Paulo. A indeferencia e a omissao, de quem quer que seja no Brasil nesse momento de grandes reivindicaoes políticas e civil-sociais, sao atos de conivencia e particpacao direta nesse Holocausto.

latuuf 2

imagem: latuff
Ras Adauto.

Racionais MC’s – 05.Racistas Otários

Racistas otários nos deixem em paz
Pois as famílias pobres não aguentam mais
Pois todos sabem e elas temem
A indiferença por gente carente que se tem
E eles vêem
Por toda autoridade o preconceito eterno
E de repente o nosso espaço se transforma
Num verdadeiro inferno e reclamar direitos
De que forma
Se somos meros cidadãos
E eles o sistema
E a nossa desinformação é o maior problema
Mas mesmo assim enfim
Queremos ser iguais
Racistas otários nos deixem em paz

Racistas otários nos deixem em paz

Justiça
Em nome disse eles são pagos
Mas a noção que se tem
É limitada e eu sei
Que a lei
É implacável com os oprimidos
Tornam bandidos os que eram pessoas de bem
Pois já é tão claro que é mais fácil dizer
Que eles são os certos e o culpado é você
Se existe ou não a culpa
Ninguém se preocupa
Pois em todo caso haverá sempre uma desculpa
O abuso é demais
Pra eles tanto faz
Não passará de simples fotos nos jornais
Pois gente negra e carente
Não muito influente
E pouco frequente nas colunas sociais
Então eu digo meu rapaz
Esteja constante ou abrirão o seu bolso
E jogarão um flagrante num presídio qualquer
Será um irmão a mais
Racistas otários nos deixem em paz

Racistas otários nos deixem em paz

Então a velha história outra vez se repete
Por um sistema falido
Como marionetes nós somos movidos
E há muito tempo tem sido assim
Nos empurram à incerteza e ao crime enfim
Porque aí certamente estão se preparando
Com carros e armas nos esperando
E os poderosos me seguram observando
O rotineiro Holocausto urbano
O sistema é racista cruel
Levam cada vez mais
Irmãos aos bancos dos réus
Os sociólogos preferem ser imparciais
E dizem ser financeiro o nosso dilema
Mas se analizarmos bem mais você descobre
Que negro e branco pobre se parecem
Mas não são iguais
Crianças vão nascendo
Em condições bem precárias
Se desenvolvendo sem a paz necessária
São filhos de pais sofridos
E por esse mesmo motivo
Nível de informação é um tanto reduzido
Não…
É um absurdo
São pessoas assim que se fodem com tudo
E que no dia a dia vive tensa e insegura
E sofre as covardias humilhações torturas
A conclusão é sua…KL Jay
Porém direi para vocês irmãos
Nossos motivos pra lutar ainda são os mesmos
O preconceito e desprezo ainda são iguais
Nós somos negros também temos nossos ideais
Racistas otários nos deixem em paz

Racistas otários nos deixem em paz

Os poderosos são covardes desleais
Espancam negros nas ruas por motivos banais
E nossos ancestrais
Por igualdade lutaram
Se rebelaram morreram
E hoje o que fazemos
Assistimos a tudo de braços cruzados
Até parece que nem somos nós os prejudicados
Enquanto você sossegado foge da questão
Eles circulam na rua com uma descrição
Que é parecida com a sua
Cabelo cor e feição
Será que eles vêem em nós um marginal padrão
50 anos agoras se completam
Da lei anti-racismo na constituição
Infalível na teoria
Inútil no dia a dia
Então que fodam-se eles com sua demagogia
No meu pais o preconceito é eficaz
Te cumprimentam na frente
E te dão um tiro por trás

“O Brasil é um pais de clima tropical
Onde as raças se misturam naturalmente
E não há preconceito racial. Ha,Ha…..”

Nossos motivos pra lutar ainda são os mesmos
O preconceito e o desprezo ainda são iguais
Nós somos negros também temos nossos ideais

Racistas otários nos deixem em paz…

 

2 Respostas para “Uma Comissao da Verdade para os Crimes do Estado e da Sociedade Brasileira contra a Juventude Negra.

  1. mamapress

    setembro 11, 2013 at 12:40 am

    Reblogged this on Mamapress and commented:
    Por Ras Adauto
    Nós da Rede Mamaterra assinamos embaixo!

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: