RSS

“A PMRJ e o Caveira Neonazis!”

05 jan

aaaaaimages  alogo_bope_novo2 (1)

imagens/ad: ss e bope: “waffen totenkopf” – armas na caveira

Aqui na Alemanha, vendo filmes sobre o nazismo, sempre me chamou a atenção os símbolos emblemáticos que os nazis usavam para simbolizar e invadir com as suas marcas no inconsciente da população. E um desses símbolos é a caveira, solitária ou tendo junto alguma arma, na maioria das vezes uma faca militar espetada no cranio ou duas facas ou pistolas cruzadas nela. Esse símbolo representa “Morder” (Matador).

Quando vi o símbolo do BOPE pela primeira vez, disse a um amigo alemão: esse símbolo é um símbolo nazista usado pela elite da Policia Militar do Rio de Janeiro. E esse alemão disse que era muito parecido com bandeiras e símbolos de tropas de elite do exército nazista no tempo da Guerra. E que existiam condecorações de oficiais alemães que tinham essa caveira no meio da medalha cruz de malta da comenda. Além fivelas de cintos e botoes dos capotes militares. Era uma representação de Poder de “Morder” (Matador): emblema da SS, que se transformou num emblema de horror na Alemanha e em toda a Europa.

Quando, com essa experiencias aqui em Berlin, vi também que o símbolo da Scuderie Detetive Le Coq, o afamado Esquadrao da Morte, organização de matadores policiais de elite no Rio de Janeiro, durante a Ditadura Militar, usavam a mesma caveira, parecida com as caveiras nazistas.

Digo isso pelo seguinte: surgiu a denuncia de que um comandante de elite da Polícia Militar, pertencente ao comando da Tropa de Choque e do Bope, pregava nas redes, em grupo de WhatsApp, violência extrema contra manifestantes nos movimentos populares de 2013 no Rio de Janeiro.

O que nao é nenhuma novidade sem se tratando da Polícia Militar no Rio de Janeiro e a sua já conhecida violência social e política.

O detalhe é que o tal comandante além das mensagens e orientações aos seus comandados para detonar manifestantes e “os black bobos”, como ele chama os Black Blocks em suas mensagens, pregava abertamente pensamentos e ideais nazistas. O cara é um neonazis em posto de comando na Polícia Militar do Rio de Janeiro. E segundo o que foi publicado pela Revista Veja que levantou a lebre, nesse final de semana, existe um grupo em torno desse comandante, o coronel Fábio Almeida de Souza.

Em seus diálogos do grupo no WhatsApp, fica clara a admiração do coronel Fábio pela filosofia do nazismo. Já certo de que estaria de volta ao Choque neste ano, ele promete vingança. “Em abril de 2015 assumirei o controle da PMERJ. Está nas escrituras. Serão quatro anos de inverno nuclear para os peitos de ladrilho. Só cursado terá vez. Choque, Caveira, Cachorreiro ou piloto. O resto será escorraçado (…) Aí vocês verão o que é revanchismo combinado com vingança. (…) Padrão Alemanha de 1930. Vai ter virada e vingança. 2014, a virada. 2015 a caça aos infiéis insurgentes ladrilhos malditos indignos”, promete. Além disse, alguns o chamam em mensagens de “Fuher”, a mesma designação de Hitler.

Quer dizer, é muito grave isso. Principalmente para a população que sempre esteve na mira e nas pistas da polícia no Rio de Janeiro.

A Polícia Militar informou que um IPM está em andamento, em fase de cumprimento de exigências feitas pelo Ministério Público. Ainda segundo a PM, todos os oficiais citados nos fatos já depuseram na qualidade de testemunhas. Enquanto a Secretaria de Segurança comunicou que o coronel Fábio não foi indiciado em nenhum IPM.

Se mexer nessa caveira vai sair mais coisas disso.

Enquanto aqui em Berlin, os Movimentos Sociais há anos vem apontando policiais que fazem parte de grupos, ou dão coberturas a grupos e paramilitares neonazis, nos quadros da polícia de Berlin. Pode estar acontecendo a mesma coisa dentro das polícias brasileiras, evidentemente com as nossas características brasucas. O caso desse comandante de elite pode ser apenas a ponta de um iceberg enorme e surpreendente. Inclusive para se entender a violência racista com que a polícia militar trata as populações pobres e pretas no Rio de Janeiro e em várias capitais do país.

O caso é muito grave e não pode deixar passar a toa, como um passarinho! Estamos tratando com “Morder” (Matadores) em instituições do Estado, que são mandados como máquinas perigosas para reprimir a população, principalmente a população negra.

Os movimentos socais devem se ligar nessa Inteiramente.

Negra Panther.

foto1/historian: a bandeira de uma tropa de elite SS nazi

foto2/internt: simbolo do E.M. e do Bope, no Rio de Janeiro.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: